Pular para cabeçalhoPular para conteúdo principalPular para rodapé

Faturamento, receita e lucro: qual é a diferença?

Por Henrique Netzka

Quando o assunto é gestão financeira, é muito fácil confundir termos como receita, faturamento e lucro. Afinal, há uma gama enorme de palavras que podem, inclusive, ter significados diferentes em contextos diferentes.

lucro-receita-faturamento

Quando o assunto é gestão financeira, é muito fácil confundir termos como receita, faturamento e lucro. Afinal, há uma gama enorme de palavras que podem, inclusive, ter significados diferentes em contextos diferentes. O “Lucro”, por exemplo, pode ser diferente para o contador e para o diretor financeiro da empresa. O lucro contábil, por exemplo, incluirá depreciações e outros abatimentos que, em geral, são ignorados na gestão financeira. Nesta mesma linha, a receita poderá ser dividida entre Bruta, Líquida, Operacional e outros termos.

Neste pequeno artigo, vamos tentar desmistificar e explicar de forma clara o que são cada um destes termos no contexto financeiro – que é, na prática, o mais usado na gestão das empresas.


Automatize totalmente seu faturamento recorrente utilizando o Nimbly. Comece grátis hoje!

Faturamento

O termo “faturar” está intimamente conectado à emissão de notas fiscais, recibos ou notas de débito. No Brasil, pelo menos, uma venda precisa de um destes três documentos para que seja contabilizada. Neste sentido, o faturamento é a soma de todos os valores brutos destes documentos emitidos dentro do período desejado (por exemplo, um mês).

O faturamento é um indicador importante, pois demonstra não só o crescimento como a capacidade de geração de receita da empresa. Apesar de não ser todo o dinheiro que entra em caixa (pois ainda serão descontados impostos), ele é o número que pode (e deve) ser usado como referência para saber se a empresa está crescendo – e quanto.

Ah, e sobre os impostos: mesmo que a nota fiscal tenha retenção de impostos (no caso de serviços), o valor do faturamento considerado será sempre o bruto!

Outro detalhe importante: ao comparar o faturamento de outros anos, não se esqueça de aplicar índices que corrijam os valores passados (IGP-M, por exemplo). Assim, evita-se comparações falsas e índices de crescimento acima do normal (vamos explorar este assunto em outro artigo).

Receita

Este é o termo mais confuso dessa parte toda. A Receita ora é confundida com faturamento, ora com lucro, ora com entrada de caixa. E não é difícil entender o motivo… A receita possui “tipos”, que mudam completamente seu escopo, e tais tipos ainda podem ser definidos no contexto de cada empresa. Para uma empresa, por exemplo, a Receita Líquida pode ser resultado da Receita Bruta menos Impostos. Para outra, as comissões também serão retiradas. Então, é bom ficar atento. Mas vamos à definição.

Receita Bruta

A Receita Bruta equivale ao Faturamento. Quando falamos em Receita Bruta, estamos falando em todas as vendas da empresa antes de qualquer desconto ou retenção de impostos. É simples assim.

Receita Líquida

A Receita Líquida varia de acordo com cada empresa, e até mesmo com cada modelo de DRE (uma empresa pode possuir mais de um modelo de DRE em casos específicos). Em geral, a Receita Líquido retirará impostos de incidência direta (não no resultado, como é o caso do IRPJ e CSLL). Ou seja: é o saldo líquido que entra para a empresa e pode ser usado para manter a empresa. Ela jamais pode ser confundida com lucro, ainda que represente o “dinheiro que sobra”.

A fórmula é: Receita Bruta (menos) Impostos

A Receita Líquida é que servirá de base como o “dinheiro que deve entrar para a empresa”.

Dica rápida

Em geral, quando falamos em gestão administrativa, a receita considerada é a receita bruta (que é igual ao faturamento). A receita líquida é um dado técnico e intermediário, que ainda receberá alguns descontos antes de resultar no Lucro Bruto e posteriormente no EBITDA.

Lucro

Tal como a Receita, o Lucro também pode ter “tipos” (Lucro Bruto, Lucro Líquido, etc.). Mas aqui vamos simplificar a explicação resumindo na seguinte frase: “lucro é o que sobra”. O lucro do mês é o que sobra do faturamento depois de todos os impostos, comissões e pagamentos da operação.

A única exceção aqui será para o caso de empresas que possuam empréstimos ou aportes de investidores. Neste caos, o lucro considerado vem sempre antes destas linhas. Ou seja: o pagamento de empréstimos ou a “receita” com aportes não são consideradas para o cálculo do lucro da empresa.

Em geral, se a empresa não possui empréstimos nem aportes, o lucro corresponde ao dinheiro que pode ser distribuído entre os sócios ou reinvestido na empresa.

É também o lucro que indicará a saúde da operação, a capacidade de reinvestimento e a capacidade de existência do negócio. É normal que uma empresa se sustente por alguns meses (ou anos) sem lucro, especialmente quando esta recebe investimento externo ou é de capital aberto. Porém, podemos imaginar que uma empresa que não dá lucro é como um prédio sem pilares suficientes: se forem retiradas as estruturas que estão “calçando” o prédio, ele cai.


Que tal utilizar um software de gestão que exibe tudo isso de forma simples e direta para você? Migre agora para o Nimbly. É mais rápido que você imagina!

Conclusão

Os termos financeiros podem ser bastante confusos e prolixos. Esperamos ter esclarecido um pouco destes, use o espaço de comentários abaixo caso ainda tenham restado dúvidas!

E já que estamos falando em receitas, bora garantir que elas entrarão realmente no caixa? Aprenda a criar uma régua de cobrança matadora!

Ou, se você estiver em meio a um problema mesmo causado por uma crise, comece lendo nossa série super especial sobre gestão na crise!

0 comentários

Deixe um comentário

Campos obrigatórios são marcados com *

Outros posts sobre "Financeiro"

Financeiro, Fiscal

Como fazer a gestão financeira usando o Nimbly

Quando falamos em gestão financeira, o que vem à sua mente? Pagar contas? Emitir boletos? Ou calcular a necessidade de capital de giro para os próximos dias e antecipar os possíveis problemas que a sua empresa poderá enfrentar em breve – mesmo que ela seja lucrativa?No artigo de hoje, vamos definir um passo a passo simples para você organizar o seu dia a dia e, de forma muito ágil, obter resultados precisos tanto para análise do seu passado quanto para o planejamento do seu futuro. E tudo isso – claro – usando o Nimbly como ferramenta, que tornará todo o processo muito ágil e transparente!

BPO Financeiro, Financeiro, Gestão, Vendas

BPO financeiro: Preparação para vender melhor?

Agora que você já entendeu o que é um BPO, e já sabe como executar o serviço, que tal falarmos um pouco sobre “os passos para fazer boas vendas operando BPO Financeiro”? Afinal, não basta saber fazer – é preciso ter clientes pagando pelos seus serviços, certo?! Neste artigo, vamos oxigenar algumas possibilidades comerciais do… Continue a ler »BPO financeiro: Preparação para vender melhor?

BPO Financeiro, Financeiro

Como se tornar um BPO financeiro?

Agora que você já entendeu o que é um BPO financeiro, resolvemos trazer alguns insights sobre “como” você pode tornar esta a sua principal fonte de renda – seja você um contador, um escritório contabilidade ou mesmo alguém buscando um novo caminho para empreender! Recapitulando Só para reforçar a ideia: imagine o papel do BPO… Continue a ler »Como se tornar um BPO financeiro?

BPO Financeiro, Financeiro

O que é BPO financeiro?

Em um mercado que vive transformações de forma acelerada e constante, estruturar um setor administrativo-financeiro dentro da empresa é, cada vez, um desafio maior. Afinal, enquanto as empresas evoluem e se transformam, muda também o nível de conhecimento necessário para executar uma boa gestão. Por isso, cada vez mais empresas estão aderindo ao chamado “BPO… Continue a ler »O que é BPO financeiro?