Pular para cabeçalhoPular para conteúdo principalPular para rodapé

Fazendo o reajuste dos contratos por IGP-M, IPCA ou outros

Por Henrique Netzka

Se a sua empresa trabalha com modelo de assinatura ou contratos recorrentes, será comum a necessidade de fazer o reajuste dos valores anualmente. Tal atualização normalmente acontece de acordo com índices como IGP-M, IPCA ou outros que representem a inflação. Neste artigo, vamos entender como fazer o cálculo e quais ferramentas você pode usar.

reajuste-contratos-recorrentes

Se a sua empresa trabalha com modelo de assinatura ou contratos recorrentes, será comum a necessidade de fazer o reajuste dos valores anualmente. Tal atualização normalmente acontece de acordo com índices como IGP-M, IPCA ou outros que representem a inflação. Neste artigo, vamos entender como fazer o cálculo e quais ferramentas você pode usar.

Por que reajustar seus contratos?

Um erro muito comum das empresas é não atualizar seus contratos periodicamente. Isso é um problema grave no caso de países como o Brasil. Como temos uma inflação de cerca de 6% ao ano, em dois ou três anos um contrato chega a perder 20% do seu valor! Isso deteriora a capacidade da sua empresa de honrar com seus compromissos como salários e reinvestimentos.

Imagine, por exemplo, que em janeiro de 2016 você fechou um contrato de R$10.000/mês para a prestação de 100h/mês de serviços – ou seja, R$100/hora. Em um cálculo rápido, usando o IGP-M como base, Este valor em janeiro de 2019 deveria ser de R$11.460/mês. São 14,68% de índice acumulado!

Em geral, empresas de serviço que não atualizam seus contratos percebem uma falta de capital de giro a partir do 3º ano de contratos ativos. E reajustar de forma acumulada pode ser prejudicial para o relacionamento com o cliente: ninguém aceita um reajuste repentino de 14%, afinal!

Como fazer o cálculo?

Seus contratos possuem datas de vigência diferentes, e por isso o índice nunca é fixo, certo?! Neste caso, é preciso “acumular” o índice de reajuste mensalmente – e isso não é feito simplesmente somando os percentuais. Para acumular o índice, é preciso fazer o seguinte cálculo, mês a mês:

= (1 + IndAnt) * (1 + IndAtu)

Onde:

  • IndAnt = Índice Anterior (por exemplo, do mês anterior ou o acumulado até o mês anterior)
  • IndAtu = Índice do mês atual)

Vamos a um exemplo. Acesse http://www.portalbrasil.net/igpm.htm e veja a tabela. Pegue o índice de janeiro e fevereiro e aplique na fórmula, e compare com a coluna “índice acumulado no ano”. : )

Este site, inclusive, tem um facilitador: ele já traz o índice acumulado nos últimos 12 meses. Portanto, se você reajusta a cada 12 meses, basta consultar o índice dos últimos 12 meses conforme a vigência. Você precisará fazer isso contrato a contrato. Note, porém, que no segundo ano não bastará somar o índice de 12 meses com o índice dos outros 12. É preciso acumular o índice usando a fórmula acima (mês a mês).

Suponha, por exemplo, que o contrato precisou ser reajustado em junho de 2018 e junho de 2019 (portanto, com índices até maio precedente).

  • IGP-M 12 meses em maio/2018: 4,2712%
  • IGP-M 12 meses em maio/2019: 7,6587%

Neste caso, o reajuste não será de 11,9299% (somando os dois índices), mas sim de 12,257% – pois o índice foi acumulado. Neste caso, inclusive, não é possível usar a fórmula anterior para somar os dois índices – é preciso aplicá-la mês a mês.

Calculadora de índice acumulado

Se você não possui um sistema que reajusta seus contratos automaticamente pelos principais índices do banco central, você pode usar esta calculadora de reajuste. Você vai ter um bocado de trabalho para reajustar tudo, mas ainda assim é mais fácil do que acumular o índice manualmente.

O jeito mais ágil

É claro que tudo na vida tem um jeito mais ágil. O Nimbly é integrado ao Banco Central e reconhece os principais índices de mercado (IGP-M, IPCA e até SELIC). Com isso, nós conseguimos reajustar os contratos automaticamente, e por períodos variados (por exemplo: 6 meses, 12 meses, etc.). Mais fácil, né?! : ) E se a gente faz isso, imagina o que mais não rola por aqui?! Conheça agora e agilize seu dia a dia!

Bônus: crescimento real da empresa

Você com certeza já ouviu a expressão “crescimento real” quando viu o resultado de alguma empresa, certo?! Essa expressão indica o valor do faturamento atual comparado ao período anterior atualizado. Na prática, isso significa: pegar o faturamento anterior, atualizar conforme o índice praticado no contrato, e assim comparar com o faturamento atual. Esta é a forma real de analisar o crescimento da empresa, pois a moeda perde valor. Portanto, se uma empresa (por exemplo) cresce 4% ao ano, é bem provável que, na realidade, ela tenha diminuído: no Brasil, a inflação em geral supera este percentual!

0 comentários

Deixe um comentário

Campos obrigatórios são marcados com *

Outros posts sobre "Financeiro"

Financeiro, Fiscal

Como fazer a gestão financeira usando o Nimbly

Quando falamos em gestão financeira, o que vem à sua mente? Pagar contas? Emitir boletos? Ou calcular a necessidade de capital de giro para os próximos dias e antecipar os possíveis problemas que a sua empresa poderá enfrentar em breve – mesmo que ela seja lucrativa?No artigo de hoje, vamos definir um passo a passo simples para você organizar o seu dia a dia e, de forma muito ágil, obter resultados precisos tanto para análise do seu passado quanto para o planejamento do seu futuro. E tudo isso – claro – usando o Nimbly como ferramenta, que tornará todo o processo muito ágil e transparente!

BPO Financeiro, Financeiro, Gestão, Vendas

BPO financeiro: Preparação para vender melhor?

Agora que você já entendeu o que é um BPO, e já sabe como executar o serviço, que tal falarmos um pouco sobre “os passos para fazer boas vendas operando BPO Financeiro”? Afinal, não basta saber fazer – é preciso ter clientes pagando pelos seus serviços, certo?! Neste artigo, vamos oxigenar algumas possibilidades comerciais do… Continue a ler »BPO financeiro: Preparação para vender melhor?

BPO Financeiro, Financeiro

Como se tornar um BPO financeiro?

Agora que você já entendeu o que é um BPO financeiro, resolvemos trazer alguns insights sobre “como” você pode tornar esta a sua principal fonte de renda – seja você um contador, um escritório contabilidade ou mesmo alguém buscando um novo caminho para empreender! Recapitulando Só para reforçar a ideia: imagine o papel do BPO… Continue a ler »Como se tornar um BPO financeiro?

BPO Financeiro, Financeiro

O que é BPO financeiro?

Em um mercado que vive transformações de forma acelerada e constante, estruturar um setor administrativo-financeiro dentro da empresa é, cada vez, um desafio maior. Afinal, enquanto as empresas evoluem e se transformam, muda também o nível de conhecimento necessário para executar uma boa gestão. Por isso, cada vez mais empresas estão aderindo ao chamado “BPO… Continue a ler »O que é BPO financeiro?